Anestesia em Doenças Neuromusculares

A anestesia é um procedimento cada vez mais seguro, com o desenvolvimento de variadas técnicas, medicações e equipamentos. Mas também a sua complexidade aumenta, no sentido de que não só controla a dor, mas também pode diminuir a consciência, regular a atividade do sistema neurovegetativo (responsável por funções autônomas como frequência cardíaca e pressão arterial) e minimizar a resposta metabólica ao trauma cirúrgico.

Entretanto, ao lidar com populações especiais, como aquela dos pacientes com doenças neuromusculares, são necessários cuidados adicionais para alcançar a máxima segurança durante a anestesia. Isso decorre da possibilidade de, nesses pacientes, poderem ocorrer complicações como hipertermia maligna, reações semelhantes à hipertermia maligna, crises miotônicas, piora da função respiratória e deglutição, comprometimento cardíaco e vascular.

A anestesia segura em pacientes com doenças neuromusculares começa na visita pré-anestésica, momento em que o anestesiologista pode investigar os antecedentes pessoais e familiares de cada paciente, bem como tomar conhecimento dos seus problemas atuais e medicamentos em uso. O anestesiologista pode, por exemplo, detectar antecedentes de problemas em anestesias prévias, permitindo a suspeita de hipertermia maligna e o encaminhamento do paciente e sua família para a realização da investigação em centro especializado, com o Teste de Contratura Muscular In Vitro. Além disso, será possível inteirar-se melhor sobre a doença neuromuscular que o paciente apresenta, de forma a planejar uma anestesia segura.

A prevenção continua na monitorização cuidadosa durante a anestesia, com especial atenção à temperatura e à capnografia (detecta o aumento do gás carbônico expirado), e na disponibilidade do antídoto dantrolene em todos os centros cirúrgicos, além da reserva de vaga na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), para qualquer eventualidade.

Existem protocolos de anestesia seguros para pacientes com doenças neuromusculares, onde geralmente está contra-indicado o uso do bloqueador neuromuscular succinilcolina. Além disso, os anestésicos inalatórios halogenados devem ser evitados em todos pacientes com suspeita prévia de hipertermia maligna e, segundo alguns autores, mesmo em pacientes com distrofia muscular. Já o anestésico venoso propofol pode se associar a complicações em pacientes com miopatia mitocondrial.

Em São Paulo, na Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia Intensiva Cirúrgica – Departamento de Cirurgia – Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, funciona desde 1990 o HOTLINE, serviço brasileiro de orientação para o tratamento das crises suspeitas de Hipertermia Maligna, via contato telefônico em regime de plantão 24 horas por dia (11-55759873). No mesmo local está o CEDHIMA (Centro de Estudo, Diagnóstico e Investigação de Hipertermia Maligna), que atende pacientes com história de reações atípicas na anestesia (11-55719667). Esses dois serviços prestam atendimento nas crises de hipertermia maligna, mas também têm recebido pacientes onde a reação atípica na anestesia permitiu diagnosticar uma miopatia subclínica ainda despercebida pelo paciente e família.

Para saber mais:

1. Site do CEDHIMA (Centro de Estudo, Diagnóstico e Investigação de Hipertermia Maligna). Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia Intensiva Cirúrgica – Departamento de Cirurgia – Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo. Disponível em: http://www.unifesp.br/dcir/anestesia/hipertermiamaligna/index.html

2. Site do Grupo Europeu de HM. Disponível em: http://www.emhg.org

3. Site do Grupo Norte-americano de HM. Disponível em: http://www.mhaus.org

Enviado por: Dra. Helga C. A. Silva

2 Replies to “Anestesia em Doenças Neuromusculares”

  1. Gostei muito das informações encontradas. Há 6 anos sofro com reações atípicas a anestesia e nenhum profissional de saúde consegue dar uma explicação. Será q vcs podem me ajudar?? Sinto fraqza extrema, tremor e muito frio,demoro dias para melhorar e perco peso , minhas pernas dobram mesmo em exames com sedativos saio do hospital d cadeira d rodas .

    • Olá.
      Perdoe a demora.
      Infelizmente, só podemos orientar pacientes com doenças neuromusculares.
      Obrigado.